O município, de acordo com o secretário,  está seguindo todas as orientações do Estado e do Ministério da Saúde.

Não há nenhum caso suspeito de Febre Amarela em Iguaba Grande, segundo Secretário de Saúde Leonidas Heringer, caso seja encontrado algum caso da doença no município, a Secretaria de Estado de Saúde será imediatamente notificada, como é determinado. De acordo com Leonidas, os dois casos notificados em Casimiro de Abreu, com um óbito, foram encontrados em área de mata, próximo à região serrana do Estado, essas áreas, além dos municípios que fazem divisa com Casimiro de Abreu serão vacinadas prioritariamente, de acordo com a estratégia adotada pelo Governo do Estado.

Há um estoque mínimo de vacinas em Iguaba Grande, destinado a pessoas que vão para áreas de risco. De acordo com Leonidas, cerca de 400 iguabenses já foram vacinados. “Ainda não temos ciência do quantitativo de doses que receberemos, quem define é o Ministério da Saúde, o município não tem gerência quanto a isso”, disse Leonidas, se referindo ao Programa nacional de imunização (PNI), responsável pela distribuição e estratégias de vacinação no país.

“É importante esclarecer que não há casos no estado do Rio de Janeiro de febre amarela urbana. Os dois casos de Casimiro são de pessoas de área rural que adentraram a mata, não há razão para pânico ou ansiedade, mas o município de Iguaba Grande está monitorando e podem ser feitas alterações na estratégia, caso haja mudança epidemiológica” esclareceu o secretário, que ressaltou também a importância de se atentar à contraindicação da vacina, “A vacina é indicada para pessoas com mais de 9 meses até 60 anos de idade, para aqueles que tem imunidade baixa é necessário uma atenção maior. Estão restritos à vacina grávidas e que estão amamentando, portadores de HIV/AIDS, com câncer, acima de 60 anos, pessoas com alergia a ovo, com doenças do fígado, com hipertensão arterial sem controle adequado, com diabetes descontrolada e os que faz uso crônico de corticoides só podem ser vacinadas com avaliação e prescrição médica”, concluiu Leonidas.

 

Tiago Gouveia

Daniele Beldon